¿ o que nos resta ?

... um mundo vigilante, no qual mesmo em silêncio é preciso saber o que dizer.

novembro 11, 2009

Sampauleganistão

Somente a luz do saber é capaz de evitar a barbárie no meio acadêmico, quando o ingresso de uma jovem exibindo suas voluptuosas pernas em direção ao banheiro desperta o furor adolescente e causa rebuliço numa universidade em Sampauleganistão.

Tanta carne humana exposta afetou os estudantes que tentavam se concentrar em suas tarefas - e eles não tiveram outra escolha senão abandonar os livros prá acompanhar aquele atentado contra a saúde pública, causador de uma revolução hormonal sem precedentes.

A moça piorava a situação, agregando sedução a cada passo. Grupos de admiradores e detratores equiparavam desejos de amor e ódio sob o signo da violência, e formaram uma multidão que configurava o maior caso de assédio sexual massivo da história. Uma única moça seduzindo setecentas pessoas, entre homens e mulheres.

Predominaram, na multidão, os valores éticos e morais, que provocaram uma reação coletiva em defesa do ambiente escolar, através da única forma civilizada de se por fim àquela balbúrdia: o linchamento!

Faltaram as pedras, sobraram os palavrões, e alguns braços que, dissumulando a indignação dos protestantes, se assomavam tentando um beliscãozinho na coxa, uma apalpada, uma foto ou vídeo entre pernas prá guardar de troféu-recordação no celular.

Não ficou claro se a intervenção policial evitou um espancamento ou um estupro, mas a eficaz sindicância realizada pela universidade encontrou depoimentos de espipiões (observadores que controlam o percurso dos estudantes ao banheiro, evitando assim que as necessidades fisiológicas colaborem com a evasão escolar) que asseguraram que a jovem realizou um persurso maior que o normal em sua ida ao banheiro, e que esse equívoco teria desencadeado tudo.

Portanto, a atitude despudorada da vítima a transformou em única responsável do seu próprio infortúnio.

Diante dessas evidências, não cabia outra decisão senão a de expulsar a moça do quadro discente da universidade, o que depois foi revogado devido da condenação quase unânime da imprensa marrom nacional e internacional - por exemplo, essa crítica publicada num diário do Paquistão (DO PAQUISTÃO!!!): http://www.apakistannews.com/geisy-arruda-photo-146166.

Somente a luz do saber não se apaga em Sampauleganistão...

... o resto é silêncio!

10 ruídos:

Katiuscia Santos disse...

Victor, Já coloquei um novo link lá no blog, ok?
Sobre o seu texto, adorei! Fiquei indignada com essa história, tanta gente hipócrita, falsos puritanos se enchendo sei lá eu de que direitos pra quase linchar a menina, e a faculdade expulsando a menina foi o cúmulo! Mas tiveram que enfiar o rabinho entre as pernas e voltar atrás. Medíocre!
Bjs, Kati.

André Leite disse...

Nas próximas eleições, o estado do Rio de Janeiro terá uma candidata exótica (para não dizer outra palavra) para disputar uma vaga como deputada estadual: a Mulher Melão.
Será que os universi(o)tários da UniTaleban farão protesto?
Será que convidarão o homem bomba Osama para a próxima aula magna da universidade?
Será que esta universidade pretende formar o futuro da nação?
Ah, se houvesse este empenho da classe acadêmica na hora de cobrar os comandantes da nação...
Continuamos às escuras e o resto é silêncio!

André Takagochi Rinaldi disse...

Brother, na boa, seu texto ficou muuuuuuito melhor do que o que já li a respeito deste assunto.

Com traços de ironia e sarcasmo, bateu os ensaios de críticas frias que não parecem por o coração na escrita.

Eu já concordava com tudo o que falou, mas se fosse partidário dos quase estupradores, mudaria de opinião na metade do post...

um grande abraço,

André Taka

Átila Serdera disse...

Lembra de uma de nossa classe, Victor, que ia vestida bem assanhadinha? Pois é, nunca partimos pra cima dela chamando ela de vadia. Quanto aos alunos, achei a atitude lamentável, coisa de Idade Média mesmo. Agora, quanto à aluna, é mais uma dessas histórias que vão parar em capa de revista masculina. Abraço.

André Coelho disse...

Normalmente assino como Coelho, mas devido à profusão de Andrés nos comentários, juntarei-me a eles...
A atitude dos estudantes (?) é simplesmente absurda, nada justifica. É claro, existem limites que devemos respeitar para vivermos de forma mínima em sociedade, e o uso de roupas ínfimas não deveria ser praxe em alguns tipos de ambientes, embora dúvido que existam regras sobre as vestimentas dos alunos na faculdade onde tudo ocorreu, e mais, que em todas as outras faculdades Brasil afora isso seja um problema. Ainda, nossa querida estudante estava apenas vestindo-se para ficar mais graciosa, e quem, sabe aliado ao estudo, também conquistar alguém. Bom, de fato, sem ela querer ela conseguiu muito mais, muito mais projeção que o curso que ela está fazendo fará ela conseguir! Vai ser capa de revista masculina... O melhor que ela tem a fazer é sair dessa faculdade (onde provavelmente metade irá comprar a revista) e fazer desse momento o seu alicerce para uma vida melhor. Ah, os estudantes (?)... não são os mesmos que um tempo atrás agrediram uma outra estudante porque a mesma tinha que ir para casa cuidar de seu filho e não queria participar de um protesto... Bom, deviam restringir o ingresso somente para homens (?) nesta faculdade...

M.... disse...

A reação acadêmica pode ter sido calamitosa, mas a moça está com a vida ganha. Vai posar nua em revista e será destaque da Leandros de Itaquera!... E isso só pra começar...
Parabéns, Victor... very sharp

SIG disse...

Em um pais conhecido mundialmente pelas mulatas rebolando frenecitamente e sem parar nas ruas do Rio de Janeiro e cidades afora, aonde todos os jovens (ou quase todos, eu era excecao, gracas a deus...) sonham com passar o carnaval em Salvador ou em alguma praia do litoral brasileiro aonde possam encontrar mulheres semi nuas, mostrando o corpo e todas as partes genitais, eh ridiculo que esses mesmos jovens, de repente, sem mais nem menos, comecem a censurar, agredir e criticar uma jovem que anda de mini saia de sala em sala... isso eh incomum? foi a primeira jovem que fez isso no Brasil? oque aconteceu? Todos os jovens dessa faculdade viraram puritanos de uma hora para outra? Decidiram acreditar em biblia, apocalipse e apostolos repentinamente? Acho que realmente e um caso para estudo socio cultural, psicologico, antropologico, metafisico ou talvez astronomico... A hipocrisia faz parte da cara do brasil, um pais de dupla face, duplo estandar. A midia, os jornais (salvo Jabor), as tvs poderiam gastar mais do seu tempo criticando politicos corruptos que vem envenenando nossa sociedade aos poucos sem que ninguem prosteste, sem que ninguem faca nada...

Abraco Vitao! Parabens pelo Blog.

SIG

Anônimo disse...

Pois é, meu FIEL amigo!
O que dizer de um fato acontecido num meio "acadêmico" com valores monetários abaixo do que se cobra em algumas instituições maternais;
Num meio "acadêmico", onde o ingresso é medido por um criterioso (e até mesmo rigoroso) processo seletivo onde apenas o preenchimento do nome em uma prova configura-se em aprovação;
Meio "acadêmico" este cuja frequência é exigida em currículos por nossa sociedade para que se torne o cidadão digno e apto a pleitear uma oportunidade de emprego;
Enfim, é neste lugar que encontram-se as "cabeças pensantes" deste país, os protagonistas do futuro vindouro, etc...
Ah, quanto à saliente e bem nutrida moça, não foi Nelson Rodrigues que disse: "A unanimidade é Bunda"??
Akele abraço...
Dio

Anônimo disse...

Muito bom o título, belo trocadilho.

Esses idiotas da Uniban merecem ir todos para o tronco.

Abração, e parabéns pelo blog!
Marcelo

Jeanine disse...

Olá Victor!!
Adorei seu texto! Concordo inteiramente!
Nosso país é muito estranho mesmo, né? A "brasileira gostosa", só pode ser objeto de desejo (geralmente masculino), mas NUNCA, JAMAIS, pode usufruir ou "curtir" sua gostosura como quiser.
Se o tal episódio trouxer algum benefício pra essa moça, que traga! Que pose pra revistas, saia em escolas de samba, que apresente programas... é o mínimo.

Postar um comentário

 

¡ o resto é silêncio ! Desenhado por HARV © 2009